quinta-feira, novembro 22, 2012

Protagonista desfalcado (todos somos)


Ainda me lembro daquele terror, não sei se era um terror imposto, sei que tinha pânico, tinha medo do mais próximo de mim.

Nascer no meio do problema dos outros é estranho... "Será que é culpa minha?"
Sei que me perguntava muito isso entre as paredes de minha casa, paredes rusticas, sem cor... Aquele cheiro de umidade da parede, me lembra essa época triste, o foda é ver todo o curto caminho que corri e perceber que realmente se engana quem sorri para tudo na vida.
Ainda me lembro daquele cheiro doce, me obriga a lembrar de tudo, devaneios da vida, as vezes me pego sozinho no vázio, e sinto aquele cheiro, porém é só ilusão, o único cheiro doce da minha vida foi de mentira, quando ainda era verdade deu adeus sem ao menos perguntar se realmente não iria fazer falta.... Lembro que o cheiro doce de minha vida me lembra a morte, a morte não é doce nem amarga, é como água, sem gosto, e ela se molda sobre você.
Se você sente o cheiro da morte uma vez, ela ficará como uma roupa que você nunca vai trocar, a morte tatua sua alma.
O doce cheiro nasceu do cheiro da umidade, daquele terror, se foi doce, se moldou a mim, e me largou no terror novamente.
Ainda me moldando a morte, lembro do cheiro do chão da rua, da minha cara no portão, lembro dos cacos das garrafas se quebrando em mim, do cheiro do sangue que caía, lembro de ser salvo. Não me contentei com essas feridas, dia após dia me via de novo com a cara no chão. Dia após dia lembro de esperar aquela moça passar com seu carrinho de bebê, e pedir um cigarro para ela, o cheiro do cigarro, agora não me agrada, mas já o usei como fuga daquele cheiro doce, como cheiro do chão e minha cara no portão também eram fuga do doce cheiro, eram fuga das minhas vestes da morte.
De repente um ano se acabou, um ano mais chato estava para começar, e eu nem sabia que seria tão ruim, lembro do cheiro daquele sabonete, até hoje quando uso um lembro, como era ruim aquele lugar para mim, gente nojenta, preferia ter a cara ao chão, e as garrafas sobre mim, as vezes acho que só tive uma visão preconceituosa, mas sei que eu queria que as coisas se acertassem. Onde eu me sentava para esperar o sinal tocar era cheio de mosquitos, apesar de ter medo de pegar uma doença era lá que eu ficava, no canto mais escondido, com medo daqueles olhares, mesmo com medo eu devolvia os olhares, mais tarde descobri que eu era aterrorizador, ninguém me entendia, mas eu também não os entendia. Larguei tudo. Mudei para SP, apesar de doer as vezes aqui eu ganhei novos cheiros doces, e eles ainda não me largaram.
Mas agora as roupas da morte são como armadura, apesar desse cheiro doce me adoecer ao partir, eu já terei um mapa para me encontrar mais facilmente. Sei agora que não adianta eu me iludir achando que sorrir para vida tudo se solucionará sozinho, fé pode até ser bom, com uma medida certa, mas para mim nem uma grama de fé serve, hoje só me pesa. Conquiste as coisas boas da vida sozinho, não dependa mais dos outros para se realizar, foi isso que aprendi quando conheci a morte.


Ícaro Leandro M. de Souza

sexta-feira, agosto 31, 2012

Olá Maldito Eu


Momentos alegres de verdade se transformaram em feridas,
Tudo em um dia
Depois dali virei uma estátua de cinzas
Peço desculpas com toda a dor
Eu queria ter feito algo
Mas só sabia derramar lágrimas...

A vergonha me acompanha todo esse tempo
Seu grito foi a clava que me feriu
E que encravada permanece
Deixando um buraco
Abandonei a prece
Só convivo com esse fardo.

Não te matei
Mas fui o assassino da minha vida
Não podia ter deixado a sua ida
Permaneço vivo e morto
Sou só um corpo oco.

Não choro mais
Cresci
Mas ainda dói
Você se foi
O seu adeus foi um eu te amo
Quem sabe se eu tivesse te calado
Tivesse deixado para mais tarde
Teria sido melhor
A saudade arde.

Nessa trama eu que sou o fantasma
Dou meus sorrisos
Mas tudo que sei fazer é me assombrar de noite.

Foi foda saber que pude te perder

É foda ver que hoje sou só uma mancha no quadro pintado pela sombra do passado.


Ícaro Leandro

segunda-feira, agosto 13, 2012

Roleta Russa


A vida está embriagada de sins, com ressaca de nãos, a verdade é que não vale a pena o desgaste do sim, e a solidão do não, tudo gira em torno de uma grande roleta russa onde tanto sim e não podem matar. Não digo viver do talvez, digo viver na aposta, o que lhe atrai, o risco vale a pena, o nocaute pode doer mais do que o esperado. Muitas são as vezes que aposto no sim, torço pelo não. Também são muitas as vezes que aposto nos dois, os dois no final seriam um erro, o erro de uma aposta que machucaria, o erro da aposta que custaria muitas vezes uma amizade, um amor, um conhecimento, agora vejo, essas vezes seriam corretas somente nas minhas verdades, não na expectativa, e sim no como tudo vai fluir, e se precisa mesmo fluir.

Ícaro L. Mendes

sexta-feira, agosto 10, 2012

La Llorona by Beirut

Republicando (Escarificação de Amor)


Eu sou o homem que nunca desistiu,
Mas que sempre falhou.
Eu sou a pessoa que sempre lutou,
Mas sempre perdeu.
Sou o homem que se afastou não para você sofrer,
Mas sim para me curar sozinho,
Levantar-me e parar de sofrer.
Sou pessoa que mora num deserto negro sem chão ou céu.
E que dança só,
Num mar de fel de magoas profundas e de dores intermináveis,
Sou a pessoa que usa uma mascara para esconder os problemas,
Para esconder os defeitos.
Sobre tudo sou a pessoa que em nome de qualquer tipo de amor larga a espada e deixa-se ser atingido por um golpe fatal.
Mas sou a existência do amor puro,
Por mais sofrido que seja nunca morrerei,
Como ele não existe combatais a minha altura.
Nem a morte apaga o amor,
O amor escarifica,
E deixa sua marca.

Ícaro Leandro

Infância


Aquela assombração, a lembrança do passado que vem e olha para mim enquanto durmo… sussurra em meu ouvido e dita o pesadelo, aquele sofrimento, que adorna minha mente como se fosse um chaveiro pendurado em minha vida… Jamais vou esquecer aqueles gritos, aquietados ao meu ver, porém perpétuos, constantes numa frequência atordoadora, porém são só assombrações do passado, que ainda me ferem no presente.


Ícaro Leandro

Desabafo


A tragédia de minha vida tem banda cívica tocando ao fundo, os momentos mais tristes só consigo lembrar com aquela imagem avermelhada, e com esse som, os dias de alegria sempre foram vazios, a minha única alegria é saber que se alguém está lendo isso sabe o como é  sentir isso, como se fosse para ser feliz, mas por ironia as risadas sempre acabam no frio daquele dia quente.
Sabem! Todos sabem, só têm medo de assumir, a vida é pestilenta, rodeada de falsas alegrias, as únicas sinceras saem das bocas sádicas e torturantes, as que me julgam, dizem o que sou o que não gosto de escutar, mas sempre estão certas!
Mas eu também tenho uma única verdade sobre elas, impuras, merecem esse mundo, não sigo suas leis retas, mas vivo muito bem minhas formas tortas.

Ícaro Leandro

quarta-feira, julho 11, 2012

Professor (texto de ensaio)

Exilado da vida,
Falta alguma faz na terra
O homem que só tenta erguer os outros está caído
Abandonado, traído, ferido.
Escuta o silencio arranhar a lousa vazia e desprovida do conhecimento.

Esse homem é um morto vivo,
Sendo ele um dos maiores que pisa na terra,
É tratado como quem é da esbórina
Cão de rua,
Recebe os restos de quem nada faz.

Chutado pela manhã,
Pela tarde,
E para não morrer de fome
Chutado pela noite.

Noite que o engole e suga suas energias,
Dorme o resto que lhe sobra
E ainda na mente é perturbado.

Maltrapilho sábio,
Vive na sarjeta.

Esse sábio é o mais perigoso
Por isso tratado dessa maneira,
Iludindo-o dizendo que é fraco.
Sendo ele a maior arma contra o sistema.

Ícaro Leandro

sábado, maio 19, 2012

Tudo se acaba

"Quero poder um dia ser capaz de trazer a paz e a alegria para todos"


Porque tudo que nasce tem que ter um fim?
A flor era um pequeno broto,
Se formou,
Tornou-se bela,
E morreu.

Tudo que nasce tem por um objetivo de se desenvolver para o amor,
A mulher que morre pelo seu grande amor,

O amor não é só descrito por palavras...

O amor nasce nos momentos de preocupação em que alguém te tira do frio e lhe aquece,
A pessoa lhe dá felicidade,
Esbanja de tal forma o bem que até parece idiota.

Ela estava prestes a morrer, mas seu amigo também, percebeste naquele momento o quanto o amava, e o quanto ele a fazia feliz, porém só lhe havia um fio de vida, em prantos ela caiu sobre o corpo dele estirado, os dois estavam ensangüentados, de alguma forma o resto de vida que  possuía foi para ele... Ela em prantos já sabia que iria morrer, e nesse momento disse a ele em seu ouvido:

“Quero que viva e transmita a esperança que me passou, você tem o dom de fazer as pessoas felizes, confiei a ti minha vida, e ela se cumpriu até o fim porque tive sua ajuda... prometo que vou voltar, triste saber que foram poucos os momentos perto de ti”

Ela o beijou, a vida, a paz estava presente num local de morte. A vida da moça foi o único presente que ela pode dar para ele. Um sacrifício selado com seu ultimo beijo, seu ultimo suspiro.

Ícaro Leando

Constante tempo que me acaba

O constante tempo que não para de passar,
O constante momento que sei que prossigo para a morte,
O constante tempo que nunca acaba,
Mas que me acaba,
O constante tempo longe dos meus melhores amigos...

Motivos sortidos me engoliram nessa tarde,
Dilacerado?
Só?
A depressão de um jovem velho
Com motivos porcos para os outros,
Porcos porque não são deles...

A vida curta que se acaba,
Envolvida num suicídio prolongado,
Em fases,
O suicídio de uma vida,
Essa existência tem uma melodia fúnebre,
Nem no principio foi alegre,
Nascer para sofrer,
Não é esse meu objetivo,
Mas é esse o meu fato diário perturbador...
A dor engulo a seco,
Mas a vida é banhada em lagrimas.

Sou só mais um numero,
Largado a sós,
Meu nome não se le no plural,
E sim no singular de uma existência vazia.

No sol mais quente,
Sinto o frio dá solidão.
Rodeado de irmãos que me cercavam,
Porém todos nós seguimos caminhos distintos
Ditados pelos fatos,
E hoje somos só mais alguns abandonados.

Ícaro Leandro

segunda-feira, abril 30, 2012

Nunca mais quero te querer


O sol nasce todos os dias me perguntando
Você ainda consegue levantar?
Sim, respondo.
E suspiro por falta de quem amar.
E choro,
Tenho amor,
Mas ninguém quer comprar.

Pensei que sonhar me faria bem,
Pensei que lutar me daria alguém.
Mas você nunca tem ninguém.

Agora não é hora,
Mas eu não consigo mais querer,
Só penso em ir embora
E me afogar sozinho.

O cigarro já não supre mais sua ausência,
Se tudo acabasse agora,
E o mundo acabasse hoje,
Ai sim eu teria um motivo para sorrir.

Minha felicidade nasceu com você,
Mas eu nunca te conheci.

Já supus que amei,
Mas amar só amei você.

Mas eu nunca te conheci.

O som da chuva se forma um com o das minhas lagrimas.

Gosto de olhar o céu vermelho com você,
Mas eu nunca te conheci.

Saí sem hora para voltar,
Para nunca mais te esperar.

Isso não estava nos meus planos,
Não dá mais.

Com meus olhos vou dizer,
O amanhecer nunca mais vou ver.

Ícaro Leandro

quarta-feira, abril 25, 2012

Incoerente e vazio amor


Sua vida vai parar.

O amor já não existe,
A paz nunca deu as caras por aqui.
A primavera não chegou...
Morremos congelados nesse eterno inverno,
O que foi bom,
Já não aguentava mais esse inferno.
Mas mesmo assim,
Congelado,
Oco,
Sem vida
Espero por ti.

Agora morto te espero,
Morri e não te vi,
Mas espero por ti.


Ícaro Leandro

sexta-feira, março 30, 2012

Republicação (Falta de tempo para escrever) _ Proibido de existir



Sinto medo de querer estar com você,
Seu cheiro me atrai.
Seu olhar,
Seus conselhos,
Suas risadas pra mim bastam.
Mas sangue do meu sangue te quer entre os braços.
Frustração,
Ódio,
E compaixão.
Roubar-te e levar para longe.
Entrar na floresta de espinhos para que não nos encontrem,
Esses meus desejos guardo num baú,
Junto com meu amor por você que não podem saber,
Junto da frustração e do ódio,
Só me resta a compaixão que tenho pelo meu irmão,
Só sobra o meu sacrifício,
Só sobra o saber de te querer,
O saber de não te ter,
Saber que não me quer.
No final só me resta sofrer,
Deixar que meu sangue fale mais alto,
Deixar de gritar de cima do monte.

É incrível como você foi feita para mim,
E triste o como não fui feito para você.
A Fera que se apaixona pela Bela,
E a Bela que só quer a Fera como amigo.
O cara que tem tudo
Menos o que mais queria.
Infelizmente essa é uma batalha que não posso lutar,
Só posso me entregar,
Só devo me entregar.
Só sou o guardião que se sacrifica pela rainha,
Mesmo que o que ela faça não me agrade,
É só o que devo fazer,
Morrer por um amor que não é meu.

O ferro do meu coração não vai resistir,
Mais o ferro de minha mascara nunca ira cair.
Que sangue do meu sangue consiga te fazer feliz,
Porque por vocês,
Não vou mais prosseguir.



Ícaro Leandro.

sábado, março 17, 2012

Futuro



Os dias passam e o sol nunca se deita, as lagrimas nunca secam, e a injustiça ainda reina.... O dia só irá acabar quando as lagrimas não caírem mais, e quando quem deve salvará a humanidade. Só o homem pode se salvar.

Ícaro Leandro

segunda-feira, março 12, 2012

O grito que de nada valeu


A lagrima que cai e ecoa pela terra,
Olhar perdido no luar,
O vento batia em seu rosto e levava o  sofrimento.
O problema é que para o sofrimento sair ele fere,
Fere desde a alma ao seu ultimo fio de cabelo...
O vento leva,
Mas o espaço da agonia lá fica,
E você acaba respirando a dor.
Esse é o sentimento que tem cheiro,
E que com a brisa da noite te leva de volta a seções de tortura,
A lua que ilumina o que antes se chamava alma,
O orvalho que umedece seu espirito afogado.
Mesmo tão morto o homem não desiste de buscar a cura...
O longo caminho do desespero,
Agonia,
Arrependimento
E do auto perdão.
O vento levou para muito longe a sua dor,
Que pelos olhos derramou...
Tal homem cultuava a dor.
Mas de abstinência
Sentia aflição pela falta da dor,
Ele com o tempo seguiu o cheiro do vento gelado da noite,
Sem mais pensar no sofrimento o homem muito atento
Buscava agora alimento,
O corpo vazio, o vazo sem planta,
Agora precisava de água,
De sol.
Precisava de amor.
Durante o dia não conseguia enxergar a luz,
aquela forte energia o consumia e o enfurecida,
Sendo assim sua busca pelo amor só se cumpria regada pelo luar.
Por anos e anos
Todas as noites aquele corpo oco andava em busca de amor.
Uma alma mofada já tinha aquele homem,
Prestes a morrer,
O seu corpo consumido pelo tempo caiu...
Deitado a terra molhada,
degustou da água barrenta.
Nunca antes teve um momento de reflexão,
E em seu leito morte percebeu que o seu amor tinha encontrado a muitos anos,
Ele por todo o tempo se amou,
E buscou o seu melhor...
Mas de nada mais valia aquele sentimento...
Com muita dor e angustia o homem gritou:
“Ser amado independe de duas pessoas, ou de alma, ou de PAZ!”
E nesse mesmo instante vomitou a água barrenta que havia tomado,
junto ao seu ultimo fio de vida.

Ícaro Leandro

terça-feira, fevereiro 28, 2012

Porcos iludidos (Não tente entender minha raiva, nem compreenda meus erros)

E digo mais, aqui um acha que tem a palavra divina, não tem opositor capaz de mudar o que ele dita, dentro desses muros somos regidos por um ditador absolutista, a tal conversa que ele iria ter comigo para resolver a MINHA vida, a minha saúde... Tudo se baseou basicamente em uma frase, a qual nem tentei combater, já que é crime ter opinião... 
"O" outro ser que vive dentro desses muros é "o" ser mais fodelão de todos, mexe com os interesses "dele" que sua vida acaba, perde tudo o que tem, todas as fontes de liberdade...
Mas o que acontece aqui é isso, todos ficam só na palavra, calúnia, na agressão. Pois bem, eu sem palavras posso combate-los, momentaneamente, já que o desespero acaba com o tempo, a arrogância toma forma novamente, mas um dia serei livre (espero).
Enquanto isso as feras que aqui me assombram lerão isso, e com palavras vão me encher o saco, vão destruir a pequena alegria que tenho que é a solidão, já que ela não me agride, nem contesta meus ideais pessoais...
Socos, tapas, chutes, palavras bem entonadas não calarão minha boca... Quem sabe nem a morte, pois posso ser memorizado por isso.

terça-feira, fevereiro 21, 2012

Yamazaki Masayoshi - One more time, One more chance

Uma das músicas mais lindas que já ouvi em toda a minha curta vida.

Mil versos para ti


Esse romantismo fictício que sempre me prende,
Esse cheiro de rosas que mais tarde me cortarão com seus espinhos.
Que amor furtivo,
Confuso,
Absurdo e louco é esse?
Sua simpatia,
Seu doce olhar, seus versos que me embebedam
Deturpam meus ideais,
Faz-me falar coisas que não devia,
Porém me fazem sorrir.

Você me prova que o amor surge do nada,
Prova que não tem como explicar o amor,
Que não tem como explicar o como alguém ama outro...
Já que eu que explico tudo,
E só de te ver fico bobo,
Idiota.
E mesmo tão xucro perto de você teria a capacidade de escrever mil versos em uma noite,
E teria a coragem que nunca tive de recitá-los em seu ouvido,
Só para poder sentir o cheiro de seu cabelo.
Ouvir sua respiração,
Alimentar minha alma com o toque de sua pele.

Ícaro Leandro

Amor de novela


Começo a cantar e olhar,
Começo a dançar e girar,
Coloco minha mão em sua cintura
Sinto sua alma.

O sangue circula com pressa
Esquenta,
Espalha.
Encanta-me o cheiro dela.

Ela começa a falar tudo para mim,
Sussurrar em meu ouvido
Passar seus lábios em meu pescoço
Subir
E alcançar,
Levar-me daqui
Deixar-me solto,
Podendo até mesmo voar.

O cantar de seu olhar me deixa louco,
Viciado
Abismado com tanta doçura.

Como me faz bem
Ela me joga na parede,
Faz o que quer de mim,
O que quero também.

Me larga sozinho,
Com saudade do carinho
Me faz chorar e pensar,
Ela me faz tão bem.

Busco seu amor,
Procuro o perdão
Encontro a felicidade,
Encontro você e mato minha saudade.

Ícaro Leandro

The Network - Cena sobre televisão e manipulação


segunda-feira, fevereiro 20, 2012


Um dia eu vou ter um relacionamento de chocolate como os outros, mas não vou deixa-lo ao sol para que derreta, saia pelos vãos dos meus dedos, me deixe imundo. Nem na geladeira para que congele, endureça e fique quebradiço. Só vou consumi-lo,  adora-lo para sentir o gosto dele o quanto durar.


Ícaro Leandro

domingo, fevereiro 12, 2012

Por você caio e peco

Sorrisos que me fazem sofrer,
Aperto na alma de saber
Foi a ultima vez que te vi,
A ultima vez que sorri,
O ultimo motivo para permanecer
Seguir e olhar para você escondido nos meus pesadelos.
A vida não tem tanta graça,
Nunca teve, só quando te conheci tive esperança...
Antes tivesse pensado que sonhos não existiam,
Assim não pereceria prematuramente com desejos sórdidos.

A única vida que me habitava era o nada,
Agora são os malditos sonhos que me enganam e me torturam na realidade.

Seu olhar ficou marcado no meu coração,
E agora nele olho e choro,
E lembro que a única coisa que sabe de mim é que já fui o que queria,
E que agora sou só o passado que limpa suas lagrimas.

Hoje me entrego ao inquisidor,
E peço pela purificação da forca.

Os alçapões caíram,
Olhava para os lados e sentia as imagens deformes me consumindo,
Mas com o tempo a dor me levava.

Acordei num lugar obscuro,
Cheio de bestas horríveis,
E logo descobri que por culpa veio atrás de mim,
Mas que ela caiu com o tempo e com a dor.
E por quem morri era culpado da morte
O peso do suicídio e do homicídio.

Quando me vi já era como as tais bestas que me amedrontavam,
Quando percebi queria morrer as já estava morto.

A luz me consumiu e a besta que antes era não me dava medo e ela expulsei de mim.
Cansado da luta desmaiei e acordei aos portões da paz,
E quem me arrastou para dentro e me curou,
Foi a mesma pela qual morri,
Foi a mesma que matei de tristeza
A mesma que amei em vida,
Amei em morte.

Ícaro Leandro 

sexta-feira, fevereiro 10, 2012

Verdadeiro Amor

Sussurrou no meu ouvido que para mim não mais olharia,
Um livro e um diário,
Foi com isso que se vetou de mim...
Ia falar com você se escondia atrás do livro,
Dava-lhe as costas e  escrevia com suas lagrimas no diário,
Chamei-te de egoísta,
Pulei da ponte várias e várias vezes.
Mas sempre acordava suado gritando seu nome
Nunca me foi concedido o direito de resposta,
Do mesmo jeito como não sei o porquê te amo,
Quando te conheci se cortava,
E se curava,
Mas com o tempo eu era a cura,
E agora me sinto o veneno que penetra sua mente através de um pequeno olhar.
Comprei um diário para mim, e um livro em branco para escrever nossa história...
No diário escrevo com minhas lagrimas,
O livro escrevo com o sangue que restou do meu coração.
E com um copo de veneno rego as flores que plantei para você.

Ícaro Leandro


O Menestrel

Ta muito largado o blog mas vamos lá esse texto não é meu, alguns contestam a autoria de  William Shakespeare sobre ele, mas enfim o conheço como dele então assim será.

Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se. E que companhia nem sempre significa segurança. Começa a aprender que beijos não são contratos e que presentes não são promessas.
Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
Aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.
Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.
E aprende que, não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam… E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso. Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.
Descobre que se leva anos para construir confiança e apenas segundos para destruí-la…
E que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.
E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.
E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.
Aprende que não temos de mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam…
Percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos. Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa… por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas; pode ser a última vez que as vejamos. Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser.
Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.
Aprende que não importa onde já chegou, mas para onde está indo… mas, se você não sabe para onde está indo, qualquer caminho serve.
Aprende que, ou você controla seus atos, ou eles o controlarão… e que ser flexível não significa ser fraco, ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem, pelo menos, dois lados. Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências. Aprende que paciência requer muita prática.
Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se. Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou. Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.
Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens…
Poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.
Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel. Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame não significa que esse alguém não o ama com tudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.
Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém…
Algumas vezes você tem de aprender a perdoar a si mesmo.
Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.
Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar.
Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, em vez de esperar que alguém lhe traga flores.
E você aprende que realmente pode suportar… que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais. E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida! Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar se não fosse o medo de tentar.



William Shakespeare

sábado, fevereiro 04, 2012

O homem foi feito do barro,
O homem veio de uma bactéria.

Para você não parece a mesma coisa? 
A termologia antiga não tinha como se referir a uma bactéria, a tratou como barro, é tão simples.
O universo é uma tela abstrata, temos que descreve-la, e em telas abstratas se pode ver várias coisas em uma, vários sentidos podem ser atribuídos a uma única tela, e ela sempre será a mesma, nada muda.
Ter uma visão crítica te tira do modismo, e faz criar seus próprios ideais.



Ícaro Leandro

quarta-feira, fevereiro 01, 2012

Eu sou o único veneno que não posso curar, eu sou o único problema em qual não posso te ajudar, o resto você sabe que pode contar comigo, quanto a isso eu só posso pedir desculpa!

É triste quando eu escrevo meus textos e eles realmente foram ditos para alguém. Não vou te chamar de Amor para não te cortar mais, mil vezes minha morte do que a sua dor!



Ícaro Leandro

terça-feira, janeiro 31, 2012

Falsa expectativa (O texto mais confuso que já fiz)

Começa tudo devagar,
Como uma música que estoura sua bomba de sentimentos...
De ódio,
De amor,
Saudade da dor
Do dilema de gostar,
De ser traído,
Abandonado,
Maltratado,
Escorraçado.
Palavras doces que viram rudes,
Da noite pro dia,
Da meia palavra que começa a pronunciar,
E que é interrompida por  um chute.
Vontade de fugir para o passado,
Voltar para quando o ódio ainda era o amor.
Depois de ser espancado por sentimentos você vai acordar,
Vai olhar para fora e vai ver,
O ódio sempre existiu,
Só que o deturpava para que ele não fluísse,
Mudou seu jeito por alguém,
Adotou seu alter ego para te comandar,
Quando deu por si,
Ele fugiu e você estava no comando novamente,
E começou a entrar num rio de lágrimas,
Entrou a tal ponto até perder pé,
E se afogar pelo nada.
O nada que nunca existiu.
As lagrimas já não eram mais lagrimas,
Viraram um acido,
Que entreva pelo nariz e corroia tudo o que existiu e bom,
Toda a alegria falsa que já viveu,
Tudo pelo o que lutou ou se tornava impalpável ou irreal.
Lembrava de quantos problemas havia tragado,
Filtrado,
Limpado,
Perdoado,
Lembrava de quanto tempo jogou fora por algo que querendo ou não sentia na espinha que iria acabar,
Que ia te levar ao fundo,
Enterrar-te.
Matar-te.
Tudo fez com que morresse junto com a ilusão daquele amor.
E tudo fez com que um dia cave um buraco para fora,
Para tentar ser feliz novamente,
E brincar na roleta russa dos sentimentos,
Apostando tudo que vai dar certo dessa vez,
E na próxima...
E na próxima,
E para eternidade até achar quem cave o buraco para te tirar da cova cavada por ti.




Ícaro Leandro

segunda-feira, janeiro 23, 2012

Ontem eu era Ícaro, hoje eu sou Ícaro, amanhã serei Ícaro. Nunca mudei, ninguém muda. As pessoas podem as vezes trancar uma de suas milhares faces, mas um dia ela sairá, e será obrigada a sair dez vezes mais presente e forte na sua vida. Não mude por ninguém, se elas se incomodam com você elas que se moldem a você, elas que se adaptem a você.


Ícaro Leandro

terça-feira, janeiro 17, 2012

Sonhos


Poderia dormir o resto dos tempos só para sonhar com você de novo,
Até hoje só me encontrei com você na minha mente...
Você possui minha cabeça, você possui minhas forças,
Daria tudo só para te encontrar,
Encontrar-te fora da minha mente e poder te abraçar,
Sentir seu cheiro, que é tão bom no mundo da imaginação.
Você é a menina que brincava comigo nos sonhos,
Por que demorou tanto para vir me ver? Passaram-se anos,
Sempre pensei em você,
Nunca deixei sua lembrança morrer,
Mesmo no oculto lembrei de você.
Com olhos de ressaca te espero na porta,
Mas quando vir me ver,
Não deixarei ir embora,
Porque se só em alguns momentos de imaginação me faz feliz,
Quero viver, e morrer ao seu lado...
E ir viver em um jardim abençoado.

Ícaro Leandro

Dos primórdios do blog...

Guerras e conflitos

Seu amor te causa dor,
Suas flores estão mortas.
Você cava sua cova,
Sucumbindo nos pecados,
Causando suas guerras,
Se escondendo atrás do medo...
Medo da sua verdade,
Fugindo da realidade.
Não pule do precipício,
Mude sua vida
Criando outra realidade,
Volte para o mundo real
E encare sua liberdade.

Ícaro Leandro

Esse eu fiz quando estava apaixonado, triste não ter dado certo, mas só ficamos com as pessoas certas

O gosto doce de te conhecer,
A esperança alegre
De ti, realmente me querer.
O desejo sólido de te abraçar,
A vontade louca de te olhar.
E a minha mente,
Procurando a sua voz
Em meio ao múrmuro da multidão.
E solenemente achando a
Ouvindo a dizendo,
Que só estava a procura,
A procura de nós.

Ícaro Leandro